Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Domingos Martins, 400 - Centro - Canoas/RS - CEP: 92010-170
Fones: (51) 3462.7000 - Fax: (51) 3462.7007

XYZ
Cinema

Um grande filme sobre o autismo

Um Garoto Chamado Po é de 2016 mas só estreou agora no Brasil
25/11/2018 20:02 25/11/2018 20:03

Produção independente norte-americana sobre autismo, o drama Um Garoto Chamado Po é de 2016 mas estreou nacionalmente no Brasil só agora e em circuito restrito. Apesar disso, é um daqueles filmes para você se tocar para Porto Alegre para ver ou, ao menos, anotar para procurar em vídeo. Na capital, inclusive, há sessões fechadas sendo organizadas por associações de pais e mestres.

Não é um documentário ou baseado em história real, ao contrário do clássico telefilme Meu Filho, Meu Mundo (1979), nem tampouco uma superprodução com atores famosos como Rain Man (1988), dois dos (poucos) títulos sobre autismo mais conhecidos. O tema, como dá pra ver, costuma levar décadas para ser revisitado na tevê ou cinema. A história acompanha o garoto Po (Julian Feder), que acaba de perder a mãe e tem que ser criado pelo pai que, apesar de dedicado, tem dificuldades para fazer frente às exigências do trabalho e das necessidades especiais do filho. Muito da narrativa se centra no pai, que enquanto luta para superar o luto e os desafios, vai descobrindo o mundo psicológico do menino ao mesmo tempo que enfrenta preconceitos na escola, nas ruas e até nas instituições que deveriam ser de acolhimento.

O filme aborda de maneira sensível e inteligente tanto o aspecto social da incompreensão sobre o autismo quanto a natureza desta condição que a própria Medicina tem dificuldades para entender. Há recursos narrativos interessantes usados para mostrar a mente do jovem Po, como cenas em que aparecem suas fantasias e sonhos despertos. Em seu mundo interior, ele age de forma plenamente consciente e articulada, mas convive com personagens que têm dificuldade de se expressar ou se concentrar.

Para dourar a pílula, o filme não se furta de dar uma exagerada no final feliz, mas ainda assim funciona muito bem como uma espécie de fábula urbana. Para se lavar chorando nas cenas finais, Um Garoto Chamado Po é uma aventura no intrigante universo do espectro autista, território inexplorado que não fica em geografias exóticas mas na mente dos nossos semelhantes. Bem perto de você. Parafraseando Po, não tenha medo. Assista.


Diário de Canoas

XYZ

por André Moraes
andre.moraes@gruposinos.com.br

Assim como na tradicional coluna semanal de variedades do jornal ABC Domingo, o XYZ fala de cinema, tevê, quadrinhos, nostalgia e assuntos da cultura pop em geral. Informação e curiosidades com um toque de humor.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS