Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde SAÚDE

Ninguém está livre de ter algum tipo de hérnia

Nunca teve? Então preste atenção: ela ainda pode aparecer na sua vida

Publicado em: 10.01.2022 às 06:00 Última atualização: 10.01.2022 às 08:16

Sabe aqueles problemas de saúde conhecidos por todos, mas que poucos podem explicar do que se tratam? É o caso das hérnias abdominais. Todo mundo já ouviu falar ou conhece alguém que já teve. Mas, as informações sobre o assunto são bem superficiais.

De acordo com João Couto Neto, cirurgião-geral e do aparelho digestivo, essa é uma enfermidade que ocorre muito mais vezes do que se imagina. E pode acontecer com qualquer pessoa, em qualquer idade. Ele explica que a hérnia abdominal é o "escape" parcial ou total de um ou mais órgãos por uma abertura nas camadas de tecidos que protegem os órgãos internos. "Existem vários tipos de hérnias abdominais, tais como: umbilical, epigástrica, inguinal, femoral e incisional", informa o médico de Novo Hamburgo.

As hérnias abdominais normalmente são facilmente tratáveis, porém quase sempre a partir da realização de uma cirurgia, que pode ser minimamente invasiva ou aberta. Nela, o cirurgião recoloca todos os órgãos no lugar e, de forma precisa, introduz um reforço (normalmente uma tela protetora absorvível) na parede do local, para evitar novas formações.

Não há uma única causa

O levantamento de peso ou grandes esforços físicos, sobrepeso e tabagismo podem ser causas do surgimento de hérnia abdominal. Mas, segundo Couto, não há possibilidade de saber com certeza se uma pessoa vai desenvolvê-las. "Também acontecem por uma má formação que torna os tecidos protetores dos órgãos internos vulneráveis ao surgimento de uma hérnia." O problema pode acontecer em qualquer idade, mas é mais frequente em adultos. Em crianças a hérnia umbilical é mais comum, surgindo por volta dos seis meses e desaparecendo sozinha até quatro anos de idade.

Como saber se tenho hérnia?

João Couto Neto, cirurgião-geral
João Couto Neto, cirurgião-geral Foto: Marcos Quintana/Especial
Segundo João Couto, as hérnias são detectadas, usualmente, a partir do surgimento de uma protuberância abaixo da pele, na região abdominal, na virilha (conhecida como hérnia inguinal), no umbigo ou ainda na raiz da coxa. Esses sintomas podem ser seguidos ou não por desconforto ou ainda dor no local. "Algumas vezes os sintomas são uma dor aguda ou 'queimação' contínua", alerta o especialista.

De um modo geral, as hérnias não causam risco de morte. No entanto, quando se trata de uma inguinal encarcerada, ou ainda estrangulada, o procedimento precisa ser feito com urgência, pois, nesta situação, o intestino ou outro órgão que esteja "preso na abertura" pode necrosar. Também a hérnia abdominal torna-se grave se levar à perfuração do intestino, gerando infecções, necrose de parte do órgão, choque séptico e até a morte.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.