Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | Entretenimento Música

Relembre a trajetória de Caetano Veloso, que faz 80 anos

Por vezes narciso, que acha feio o que não é espelho, o artista baiano símbolo do tropicalismo completa 80 anos neste domingo

Por Marcelo Kenne Vicente
Publicado em: 06.08.2022 às 03:00

Este ano tem sido marcado pelo aniversário de 80 anos de grandes nomes da música. Gilberto Gil (26 de junho), Milton Nascimento (26 de outubro), Paulinho da Viola (12 de novembro) e também Paul McCartney (18 de junho) estão entre os notáveis oitentões de 2022. Neste grupo ainda está nada menos que Caetano Veloso, aniversariante deste domingo, 7 de agosto.

Caetano em festival de música popular
Caetano em festival de música popular Foto: Divulgação

Mesmo com o passar do "tempo, compositor de destinos e tambor de todos os ritmos", como versa Caetano, o artista continua a deixar sua assinatura como necessário compositor e intelectual contemporâneo. O seu mais recente álbum, Meu Coco, de 2021, é um bom exemplo. Nele, há ares de rock, samba, funk carioca, referências a artistas da geração de hoje e ainda um elemento fundamental em sua obra: falar sobre o mundo que o cerca.

Nascido em 1942 na cidade de Santo Amaro, na Bahia, Caetano cresceu em um Brasil industrial e com uma nova linguagem artística resultante do modernismo. Líder, ao lado de Gilberto Gil e de outros nomes, de um dos movimentos mais criativos da música brasileira, o tropicalismo, ele forjou uma identidade própria "sem lenço e sem documento" ao relacionar em versos e arranjos aspectos da cultura nordestina, da bossa nova, do samba e dos Beatles.

Desse mergulho, surgiram obras-primas, como o seu álbum de 1968 que apresentou ao público clássicos Alegria, Alegria, Tropicália, Soy Loco por Ti America e No Dia em que Vim-me Embora. Para além da música, embora não fosse um militante político declarado - sua obra já é um manifesto em si -, tornou-se um dos ícones da resistência contra o período mais duro do regime militar, por acreditar que "era proibido proibir". Por causa disso, foi preso entre 1968 e 1969 e se exilou em Londres.

Mais tarde, homenageado por Roberto Carlos (há quem ainda crie uma rivalidade entre os lados) na canção Debaixo dos Caracóis de Seus Cabelos, Caetano avançou os anos de 1970 com grandes criações em álbuns como Transa, Bicho e Muito - Dentro da Estrela Azulada. No período, compôs canções que ficaram conhecidas em sua voz ou na de outros intérpretes, tal qual Força Estranha, gravada por Gal Costa e Roberto Carlos.

Como um camaleão, lembrando David Bowie, Caetano percorreu as décadas adaptando-se aos novos estilos, comportamentos e tendências populares, mesmo que às vezes isso pudesse parecer forçado. Narciso por natureza, permanece à disposição para ser ouvido sobre qualquer assunto e se autoproclama um guru responsável por abençoar novos artistas. Em seus 80 anos, Caetano segue firme denunciando "podres poderes" e amando as "minúcias e delícias" do Brasil.

O casal Schenkel e Janaina não abre mão dos discos
O casal Schenkel e Janaina não abre mão dos discos Foto: Arquivo pessoal

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.