Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Canoas Desdobramentos

Operação que afastou o prefeito Jairo Jorge do poder em Canoas completa um mês

Ministério Público (MP) mantém investigação sob sigilo. Prefeito e mais dois secretários seguem afastados do centro do poder na cidade

Publicado em: 02.05.2022 às 08:48 Última atualização: 02.05.2022 às 12:43

A operação que abalou o centro do poder em Canoas aconteceu no dia 31 de março
A operação que abalou o centro do poder em Canoas aconteceu no dia 31 de março Foto: REPRODUÇÃO
Há 32 dias era desencadeada a operação que abalou a gestão de Canoas. Em 31 de março, a Copa Livre resultou no afastamento do prefeito Jairo Jorge (PSD) e de mais cinco agentes públicos, incluindo dois secretários. A previsão de retorno, caso a Justiça assim decida, é de 180 dias (fim de setembro). Ao menos até lá o Paço Municipal fica nas mãos do vice-prefeito, Nedy de Vargas Marques (Avante). No período, ocorreram trocas em sete das 22 secretarias municipais.

Parte do empresariado local já manifestou receio sobre a continuidade de projetos firmados por Jairo. Além disso, o ano eleitoral por si só é um fator de troca de nomes na gestão. Nas semanas que se seguiram ao afastamento, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) chegou a ser discutida na Câmara de Vereadores, mas não prosperou. A oposição também tentou, sem sucesso, divulgar no site do Legislativo detalhes da investigação do Ministério Público Estadual (MP/RS).

Além dos ex-titulares Maicon de Barros Lemos (Saúde) e Fábio Cannas (Planejamento), afastados pela Justiça e sob investigação, cinco outros secretários desembarcaram do governo desde então. Simone Sabin (Desenvolvimento Econômico), Gabriel Gonçalves (Bem-Estar Animal) e Felipe Martini (Governança e Enfrentamento à Pandemia) saíram para concorrer em outubro. No lugar deles assumiram Daurinei Alt (interinamente), Cristiane Amabile Fagundes e Aristeu Ismailow, respectivamente. Lurdes Nascimento (Comunicação) e Emerson Wendt (Segurança) alegaram motivos pessoais.

No centro das investigações do MP, a Saúde tem agora como interino Eloir Vial. No Planejamento, houve o anúncio de Joceane Gasparetto como interina, o que durou dez dias. Em 11 de abril, Cristina Santos Tietbohl assumiu o cargo.

Nove dias depois da operação, a gestão do Hospital de Pronto Socorro de Canoas (HPSC) passou para o Estado, por meio de intervenção autorizada pela Justiça. O expediente atendeu um pedido do MP, que entendia que a medida era necessária para "garantir a manutenção dos serviços".

Nestes últimos 32 dias o prefeito manifestou-se apenas duas vezes. Na primeira, em um texto de poucas linhas, disse estar perplexo pelos "ataques" à sua honra.

Sua segunda manifestação foi por meio de um vídeo de quase oito minutos. Disse não ser culpado do que o acusam e que na Justiça teria oportunidade de provar sua inocência. A primeira-dama e a filha dela têm os nomes mencionados na Operação Copa Livre. Uma farmácia no nomes delas teria sido usada para ocultar uma possível movimentação financeira ilegal, conforme o MP. No vídeo, Jairo negou qualquer irregularidade envolvendo a farmácia.

A investigação número 02423.000.011/2021 está sob segredo de Justiça. Há transcrição de escutas telefônicas ainda não trazidas a público, além de e-mails e conversas de WhatsApp. Conforme o MP, não há previsão para a denúncia à Justiça. A participação de mais uma dezena de pessoas supostamente envolvidas em pelo menos três contratações irregulares é apurada.

Os contratos firmados de forma similar, com dispensa de licitação, com a GMS Serviços de Limpeza, com a C.A.P Serviços Médicos (duas vezes) e com o Instituto de Atenção à Saúde e Educação (Aceni) somaram, juntos, R$ 66,7 milhões.

 

Empresários preocupados com investimentos

Preocupados com os desdobramentos da investigação do MP, a Câmara de Indústria e Comércio e Serviços de Canoas (Cics) e sete vereadores se reuniram, durante a semana, para debater as consequências e possíveis reflexos na economia e nos investimentos locais. "Vamos trabalhar juntos pra garantir esses investimentos", explicou o vice-presidente de Planejamento Estratégico, Marcos Netto. Há também preocupação com o secretariado interino. "Recebemos reclamações sobre a demora da liberação de alvarás. Estamos preocupados que alguns secretários ainda sejam interinos".

Alvarás

Em resposta, a Secretaria de Desenvolvimento informou que de janeiro a março deste ano, 2.099 empresas novas foram cadastradas na cidade. Neste período, foram entregues pela Prefeitura 756 alvarás, entre documentos sanitários, de localização e declarações de isenção. No momento, estão em tramitação 685 processos.

"A cidade não parou", garante prefeito Nedy

Dono de seis mandatos consecutivos como vereador, sendo seis vezes presidente da Câmara Municipal, além de ter sido deputado estadual, o prefeito em exercício Nedy de Vargas Marques diz que sobra experiência política. Há pouco mais de um mês na função, pouco parece ter mudado na vida do advogado natural de Rosário do Sul.

Entre uma agenda e outra ele falou com o DC. "Olha, pra quem já está acostumado a trabalhar dia e noite, não mudou muito", conta. Do gabinete, ele garante que os projetos que já estavam em andamento não irão parar. "Estamos continuando as obras da Perimetral Oeste, que vai mudar a vida das pessoas, a pavimentação da (rua) Curitiba, o Programa Asfaltaço que vai até o final de 2024 arrumar todas as ruas de Canoas".

Sobre as sete mudanças no secretariado, disse não haver problemas nem com as trocas, nem com o fato de alguns ainda serem interinos. "Não estou me preocupando com isso e, sim, em tocar as obras. Se é interino ou vai sair depois, isso eu não estou analisando", salienta. Em resposta aos empresários preocupados com o secretariado ou com uma possível falta de investimentos, Nedy foi taxativo. "Os empresário tem que se preocupar com as empresas deles. O fato de serem secretários interinos não tem absolutamente nenhuma implicação nas demandas. O que importa pra mim é que as políticas públicas e projetos desse governo estejam sendo mantidas." Quanto aos investimentos, continuou: "Por que teria essa perda de investimentos? Quem fala isso está completamente alheio. Os empresários deveriam estar aplaudindo a liberação, que estava trancado pelo MP, do terreno da Havan. Graças a deliberação do MP a área foi liberada, será um investimento de R$ 1 bilhão com geração 4 mil de empregos. Se os empresários têm interesse no desenvolvimento da cidade, eles deveriam saber disso."

Ainda que se sinta preparado para ficar mais tempo, Nedy diz acreditar tanto na inocência quanto no retorno de Jairo Jorge. "Nem denúncia existe ainda. Eu tenho certeza que ele será absolvido e voltará no braços do povo. O prefeito Jairo Jorge é, queiram ou não, a maior liderança dessa cidade."

MP analisa 11,5 mil páginas de interceptações e outras provas

A ofensiva organizada pela Procuradoria da Função Penal Originária e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em 31 de março, teve sua origem em um apontamento do Tribunal de Contas do Estado, em maio de 2021. O expediente apurou irregularidades na contratação da empresa GMS Serviços de Limpeza e Construção Civil que atuou no município em fevereiro daquele ano. A empresa, fato que chamou atenção, tinha o mesmo endereço do diretório de campanha do então candidato Jairo Jorge. Era o início de um processo que já conta com 11,5 mil páginas, contendo centenas de mensagens e ligações interceptadas, além da quebra de sigilo bancário e fiscal de pelo menos 13 investigados, entre eles o prefeito afastado.

Conexões entre operadores

O MP monta verdadeiro quebra-cabeças. Busca as conexões entre os nomes interceptados e as operações financeiras apontadas como irregulares. Após o primeiro apontamento começaram as investigações que chegaram à descoberta de irregularidades em pelo menos mais dois contratos, agora na área da saúde: com a C.A.P Serviços Médicos e a Aceni.

A Operação Copa Livre cumpriu mandado de busca e apreensão em pelo menos doze locais do município de Canoas, incluindo a Prefeitura, as secretarias da Saúde e do Planejamento, a residência de Jairo Jorge e a empresa que ele tem com a esposa, a sede municipal e estadual do partido do vice-prefeito, o Avante, além de mais quatro residências de outros investigados. A reportagem do DC não conseguiu contato com o advogado de Jairo Jorge, Jader Marques.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.