Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus Estado

Leite afirma que novos protocolos com flexibilizações às atividades serão anunciados

Após reunião com o Gabinete de Crise, na manhã desta quinta-feira (8), novas medidas serão determinadas

Por Matheus Beck
Publicado em: 08.04.2021 às 17:25 Última atualização: 08.04.2021 às 17:29

Governador Eduardo Leite confirmou medidas em áudio enviado pela assessoria de imprensa Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

O Rio Grande do Sul terá novos protocolos que preveem maiores flexibilizações para as atividades. As adequações serão anunciadas entre esta quinta-feira (8) e a sexta-feira (9). A determinação foi anunciada pelo Governador Eduardo Leite. As menores restrições ao comércio, academias e demais ramos se estabelecerão mediante a uma fiscalização rígida, garante Leite. Além disso, canais de denúncias serão criados, além da disposição de um volume maior de fiscais, mediante a um suporte estadual, para que os municípios consigam cumprir com o acordado.

Leia aqui todas as notícias sobre o coronavírus

A resolução foi divulgada após reunião com o Gabinete de Crise, que foi realizada nesta manhã de quinta-feira (8). “Nós tivemos uma boa conversa de um ponto de partida para algumas flexibilizações importantes. É uma demanda dos prefeitos. O prefeito Sebastião Melo (Porto Alegre) representa a Granpal. Se sente seguro para que possa dar esse passo na permissão de atividades econômicas."

Segurança

Leite ainda afirmou que é um compromisso que precisa ser compreendido pelas administrações municipais. “O grande ponto para o Governo do Estado é ter segurança e que a fiscalização acontecerá de forma rigorosa. Isso na segunda-feira nós pedimos aos prefeitos que apresentassem planos de fiscalização. Hoje pela manhã nós tínhamos 370 municípios que já tinham entregue seus planos municipais de fiscalização. E nós demos o prazo até hoje (quinta-feira), no final do dia.”

Fiscalização detalhada

Em comunicado oficial, o Governador detalhou que o trabalho das verificações dos cumprimentos protocolares ocorrerão de maneira complexa. “Por que isso é tão importante? Porque uma coisa é fiscalizar porta fechada. Outra coisa é ter que entrar no restaurante, acompanhar se a distância entre as meses está sendo respeitada. Se o número de pessoas está sendo respeitado em cada mesa. Se os itens de proteção estão sendo disponibilizados. E assim nas academias, nos comércios e em todas as outras atividades."

Caso os municípios não tenham servidores o suficiente, o Estado deve intervir para um aporte. “O que nós estamos demandando dos municípios é: nos apontem segurança de que tem plano, tem estrutura, tem estratégia pra fiscalizar. Se não tiverem recursos humanos em volume o suficiente o Estado se disponibiliza a repassar recursos para as prefeituras para que contratem um corpo extra de fiscais. Porque é importante fiscalizar severamente."

Denúncias

Para o próximo passo ser tomado, Leite garante que precisará da atuação de toda a população. “Deixar de denunciar pode ser colocar a vida de alguém em risco.” E justamente para que isto seja cumprido, o Governo deve criar ferramentas para o recebimento dos avisos. “Vamos lançar novos canais de denúncia integrados. E estimular a população a denunciar. Não é para pedir a população que seja dedo duro. Nós estamos pedindo à população que exija respeito dos que estão a sua volta. Denunciar um vizinho que faz uma festa, uma aglomeração. Denunciar um concorrente do seu mesmo negócio não é ser dedo duro. É exigir respeito com a sociedade para que a economia funcione, o viirus não se espalhe e vidas sejam preservadas.”

Horários ampliados

Leite informou que a equipe estadual deve atuar com os servidores da pasta da Saúde da prefeitura porto-alegrense. No próximo decreto, que será publicado a partir da próxima rodada de bandeiras do distanciamento controlado, diversas determinações devem ser alteradas. “Já temos um ponto de partida que o nosso comitê técnico anunciou para o funcionamento de atividades no final de semana e também do ampliamento de horários.” Por fim, reforçou a necessidade da atenção da população, dado o estado ainda delicado da capacidade hospitalar gaúcha. “Mas eu insisto, o risco ainda existe.”

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.