Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região PALOMETAS

Previsão é que piranhas invasoras cheguem ao Sinos após fevereiro

Grupo de trabalho foi criado pelo consórcio Pró-Sinos para monitorar situação e planejar estratégias para lidar com espécie invasora, avistada no Rio Jacuí e seus afluentes

Publicado em: 13.01.2022 às 14:03 Última atualização: 13.01.2022 às 15:21

Gestores ambientais e especialistas no tema acreditam que as palometas, espécie de piranha da Bacia do Rio Uruguai, comecem a ser vistas na Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos após o mês de fevereiro, quando termina o período de defeso, que interrompe atividades de pesca. O período coincide com a época de migração dos peixes às regiões altas dos rios para a desova.

Palometas de diferentes tamanhos já foram encontradas em cidades da Bacia do Jacuí
Palometas de diferentes tamanhos já foram encontradas em cidades da Bacia do Jacuí Foto: Prefeitura de General Câmara
Desde abril do ano passado, esse tipo de predador, popularmente conhecido como piranha vermelha, começou a ser capturado em cidades banhadas pelo Rio Jacuí, o que acendeu sinal de alerta, já que a palometa é considerada uma espécie invasora nessas águas e não tem um predador natural.

Apesar de não ter o poder de dano característico de outras espécies de piranha, as palometas já atacaram banhistas em cidades da Bacia do Rio Uruguai em anos anteriores, provocando pequenos ferimentos.

A espécie já chegou a afluentes do Jacuí, como os rios Pardo e Taquari, e quando chegar ao Guaíba poderá facilmente avançar pelos rios que desaguam no lago, como o Caí, Sinos, Gravataí, além da Lagoa dos Patos.

Para monitorar a situação, um grupo de trabalho liderado pelo Consórcio Pró-Sinos foi criado e já se reuniu para discutir estratégias de prevenção e controle da espécie. O grupo — formado por iniciativa do Consórcio e composto por lideranças da pesca da região, gestores ambientais, estudiosos do tema e representantes de órgãos ambientais — está atento à evolução do problema.

“Diariamente, recebemos informações sobre captura de palometas e demonstrações dos danos causados por elas aos demais peixes na Bacia do Jacuí”, relata o diretor técnico do Pró-Sinos, Hener de Souza Nunes Júnior. “O Pró-Sinos quer facilitar a interlocução das partes interessadas e buscar integrantes estratégicos para o grupo avançar no monitoramento da situação e antecipar as ações possíveis”, diz.

Especialistas apontam possíveis estratégias

Para o especialista em peixes, Uwe Schulz, não haverá um meio simples de reverter a evolução da invasão e será preciso uma adaptação na convivência com a espécie. “É necessário um sistema de monitoramento contínuo dos locais do seu aparecimento e da sua captura, com o intuito de avaliar a dinâmica de invasão do animal”, recomenda.

O biólogo Jackson Muller propõe que esse monitoramento seja estruturado na forma de um projeto, apto a captar recursos junto a fontes de fomento e apoio a projetos ambientais e envolva a participação de instituições de ensino e pesquisa.

Já o analista ambiental e coordenador do Ibama para as ações de combate à invasão das palometas, Maurício Vieira de Souza, enfatiza ser preciso criar uma rede de interlocução com as prefeituras e com a população para construir uma base de dados sobre o animal. O instrumento para isso já existe e se constitui em um formulário elaborado para relatar as ocorrências do peixe. O Pró-Sinos se propôs a facilitar essa interlocução com as gestões da Bacia do Rio dos Sinos, além do trabalho já desenvolvido no grupo de monitoramento.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.