Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região INTERVENÇÃO NA SAÚDE

HPSC completa dois meses de intervenção do Estado em Canoas

Equipe do hospital avaliou o trabalho feito no período de administração em reunião com a secretária Arita Bergmann

Por Juliano Piasentin
Publicado em: 07.06.2022 às 12:07

A titular da Secretaria Estadual da Saúde (SES), Arita Begmann, se reuniu na manhã desta segunda-feira (6), com as interventoras do Hospital de Pronto Socorro de Canoas (HSC), Suelen Arduin e Leonora Gehler. O objetivo do encontro foi discutir a gestão do local, que desde há dois meses está sob administração do Governo do Estado. Entre os tópicos discutidos durante o encontro, se destacam a questão financeira do hospital, as mudanças na gerência de pessoal e ampliação na infraestrutura hospitalar.

Governo do Estado atua no HPSC há dois meses em Canoas
Governo do Estado atua no HPSC há dois meses em Canoas Foto: PAULO PIRES/GES
De acordo com a secretária, a palavra que define os meses de condução do Estado como interventor no HPSC, é gestão. “Estamos fazendo mais com os mesmos recursos e conseguindo contratar serviços sempre com o menor preço.” Arita reiterou que não há aumento de receitas. “Seguimos com os valores repassados pelo nosso Estado, União e o custeio do próprio município.” Sobre a relação com a prefeitura, a titular comunicou que a relação é respeitosa e republicana. “Nossa comunicação acontece basicamente via judicial e quando há necessidade conversamos também com a Secretaria Municipal da Saúde e com o prefeito.”

Outra mudança destacada ocorreu no regime de contratação dos profissionais de saúde, que até abril atuavam em sua grande maioria como prestadores de serviços. Com a entrada do Estado, os funcionários voltaram a ser admitidos sob a regência do CLT. “Hoje temos uma equipe dividida, algumas funções são somente Pessoas Jurídicas, como anestesistas, já em outras o regime de contratação se tornou prioritariamente como CLTs”, afirma Arita. Com isso as reclamações do Sindicato Médico do RS (Simers) cessaram garante o diretor do HPSC, Dr. Álvaro Fernandes. “Conseguimos manter a equipe mais estável, é sempre muito traumático quando muitas trocas passam a acontecer no corpo médico de um hospital.”

Modernização de aparelhos

As interventoras Suelen Arduin e Leonora Gehler explicaram que outra meta do Estado durante o período em que ficará à frente da administração do HPSC, é a modernização dos equipamentos hospitalares. “Recebemos o hospital com muitos aparelhos estragados ou com defeito, já compramos novos carrinhos de anestesia, ecógrafos e ainda a autoclave, que faz a esterilização dos utensílios médicos”, afirmou Leonora.

Entre os equipamentos necessários, está um Tomógrafo, o que é utilizado atualmente no hospital é um modelo com mais de 17 anos de acordo com Suelen. “Um tubo que precisamos trocar a cada seis meses em média, custa cerca de R$ 300 mil, comprando um aparelho novo, em até dois anos ele está pago”, confirma.

Custos e repasses

No mês de abril o HPSC teve R$ 7.444.627,27 milhões custeio, a maior parte, R$ 5.095.895,24 milhões, são gastos com o Departamento Pessoal, enquanto o restante é utilizado para o pagamento de materiais e medicamentos hospitalares. Os números foram repassados pela SES.

Já os repasses são feitos pelo Governo Federal (R$ 3.183.572,9), Governo do Estado (R$ 4.200.000,00) e prefeitura (aproximadamente R$ 1 milhão). Outro valor, referente a produção do Sistema Único de Saúde (SUS), ou seja, quanto maior o número de atendimentos na emergência, maior o valor a ser recebido pelo hospital. Em abril foram obtidos R$ 1 milhão e 300 mil. 

Leitos

Atualmente o HPSC possui 104 leitos no total, destes, 20 são de UTIs adultas, todas utilizadas pelas equipes médicas. No entanto, o hospital recebe os recursos de apenas dez delas, de acordo com as interventoras. “Em janeiro, a pedido do então secretário da Saúde, essa verba foi transferida para o Hospital Nossa Senhora das Graças.” Estes leitos, conforme Leonora, foram habilitados por meio do Ministério da Saúde (MS) para o HPSC. “Como Canoas tem a Gestão Plena, eles transferiram o recurso para o Nossa Senhora das Graças, assim eles são utilizados em um hospital com o valor sendo direcionado ao outro”.

Leonora e Suelen já realizaram o pedido para que o recurso, cerca de R$ 1,9 milhão anual, retorne para o HPSC. “Esse ofício já está no estado e esperamos que a situação seja resolvida”, reiteraram as interventoras. A reportagem buscou contato com a prefeitura de Canoas, que comunicou que o secretário da Saúde, Aristeu Ismailow, passou o dia em reuniões para se apropriar dos assuntos referentes à pasta.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.