Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região APÓS PRESSÃO

Estado admite mudar local do pedágio na RS-122

Prefeito Julio Campani apresentará ofício com alternativas à praça, que está prevista para o quilômetro 4

Por Matheus Chaparini
Publicado em: 19.07.2022 às 21:01 Última atualização: 20.07.2022 às 09:32

Uma comitiva de São Sebastião do Caí se reuniu com o secretário estadual de Parcerias Estratégicas, Leonardo Busatto, e com representantes do consórcio Integrasul, vencedor da concessão do lote 3 do pacote de rodovias estaduais. O encontro ocorreu na secretaria, em Porto Alegre, nesta terça-feira (19), e o tema foi o pedido do Caí para a mudança do local onde será instalado o pedágio.

Grupo em tratativas Reunião sobre praça de pedágio da RS-122 reuniu o prefeito de S. S. do Caí, Julio Campani; vereadores Cláudio Becker (MDB) e João Marcos Guará (PSDB); secretário de parcerias estratégicas Leonardo Busatto e diretores do consórcio IntegrasulJosé Roberto da Silva e Ricardo José Peres.
Grupo em tratativas Reunião sobre praça de pedágio da RS-122 reuniu o prefeito de S. S. do Caí, Julio Campani; vereadores Cláudio Becker (MDB) e João Marcos Guará (PSDB); secretário de parcerias estratégicas Leonardo Busatto e diretores do consórcio IntegrasulJosé Roberto da Silva e Ricardo José Peres. Foto: Divulgação/PMSSC

No edital, a previsão é de que a praça seja instalada no quilômetro 4. Se instalada neste ponto, moradores do bairro Areião ficariam separados do restante do município. Atualmente, o pedágio fica no quilômetro zero, no encontro das RSs 122 e 240. A mudança de local é reivindicada pelos representantes do município desde o lançamento do edital, em junho do ano passado.

Agora, o Estado admite a possibilidade de alteração do local. De acordo com a assessoria da secretaria, o encontro foi convocado pelo governador Ranolfo Vieira Júnior. “A prefeitura ficou de enviar um ofício e todas as sugestões serão analisadas”, informou a assessoria.

Ficou definido que o prefeito Julio Campani enviará um ofício, formalizando as sugestões. O documento deve ser entregue ao secretário na próxima semana. O objetivo é que seja assinado pelo Executivo, Legislativo e entidades empresariais do município.

"Já fiz este esboço para eles lá na reunião e agora vamos oficializar isso. Vamos dar duas ou três alternativas e o consórcio, junto com o Busatto, vai avaliar a viabilidade da mudança”, afirma Campani.

Entre as alternativas que devem ser apontadas no documento estão a mudança para o quilômetro 2,5, no limite entre Portão e São Sebastião do Caí, ou então para a RS-240, em um ponto próximo à BR-116. Campani saiu do encontro otimista. Ele afirma que os diretores do consórcio foram receptivos às sugestões e acredita ter aberto uma “porta importante de diálogo”.

“O importante é que percebi que a empresa quer dialogar, quer construir de forma conjunta uma alternativa para minimizar o impacto da praça de pedágio. Isso é um ponto positivo. Um dos diretores sugeriu que a próxima reunião, que faremos em agosto ou setembro, tenha participação dos técnicos do BNDES, que foram quem, segundo o Governo do Estado, fizeram o estudo”, afirma Campani.

Além do prefeito, participaram do encontro os vereadores Cláudio Becker (MDB), presidente da câmara, e João Marcos Guará (PSDB). De parte do consórcio, estiveram presentes José Roberto da Silva e Ricardo José Peres.

Pedágio a quase R$ 10

Formado por empresas do Paraná, o consórcio Integrasul foi o único interessado e venceu o leilão do lote 3, o primeiro do pacote de concessões a ser licitado. O pedágio de RS-122 é o mais caro do lote, R$ 9,83.

A prefeitura de São Sebastião do Caí chegou a ingressar na Justiça para tentar barrar o leilão, alegando falta de estudos técnicos para embasar a mudança da praça de pedágio, mas não obteve sucesso.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.