Publicidade
Notícias | Rio Grande do Sul Investigação

Polícia acredita que falha elétrica possa ter provocado incêndio na SSP

Delegado responsável pela investigação afirma que relatos de testemunhas apontam para pane elétrica. Polícia, entretanto, aguarda laudos periciais para 'bater o martelo'

Publicado em: 20.07.2021 às 11:42 Última atualização: 20.07.2021 às 11:45

Desde a última semana, a Polícia Civil já ouviu oito testemunhas do incêndio que consumiu o prédio da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP), em Porto Alegre. Depoimentos de funcionários da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), que na noite de quarta-feira (14) trabalhavam no andar em que o fogo começou, indicam que uma pane elétrica pode ter provocado a tragédia. 

"Os relatos todos estão convergindo para esse lado, para falha elétrica. Nós ouvimos pessoas que viram o fato e deram combate ao fogo. Tudo leva a crer que sim, que foi falha elétrica", adianta o delegado Daniel de Oliveira Ordahi, titular da 16ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre e responsável pelo inquérito que apura a causa do incêndio. 

Polícia acredita que falha elétrica possa ter provocado incêndio na SSP Foto: Rodrigo Ziebell

O delegado ressalta, entretanto, que ainda depende de laudos periciais para chegar a uma conclusão definitiva. "Estamos aguardando laudos periciais, muita coisa será presumida, porque muita coisa ruiu. A parte onde começou o fogo não existe mais", observa.

Os relatos começaram a ser colhidos na última quinta-feira (15). Sete servidores da Susepe foram ouvidos na semana passada, e um funcionário, nesta semana. 

"Todos eles estavam no quarto andar. Por volta das 21h30, eles começaram a sentir cheiro de queimado e começaram a ver uma fumaça cinza. Por sorte, eles tinham feito um curso de brigada de incêndio três semanas antes. Começaram a procurar a origem da fumaça, um chegou arrombar uma porta interna, foi quando viu o forro, viu que estava pegando fogo no forro, viu um fio elétrico incandescente, pegaram extintores de pó químico, mas não resolveu. O fogo se propagou de forma rápida, e aí providenciaram evacuação. Os bombeiros chegaram rapidamente", relata Ordahi.

Aproximadamente 40 pessoas estavam no prédio quando as chamas começaram. Outras três testemunhas devem prestar depoimento até a sexta-feira (23). A Polícia ainda pretende ouvir os bombeiros envolvidos no combate ao fogo. Isso, porém, será feito somente após a etapa de resgate, já que dois militares seguem desaparecidos.

Segundo o delegado, não há busca por culpados neste momento. Somente após entender a dinâmica dos fatos, a Polícia irá verificar se cabe responsabilização.

Buscas a dois bombeiros desaparecidos ocorrem desde a madrugada de quarta-feira (14) Foto: Divulgação SSP

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.