Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Rio Grande do Sul JÚRI EM CHARQUEADAS

'Foi julgado, sentenciado e executado', diz pai que viu filho ser espancado em saída de festa

Ronei Jr foi agredido a chutes, socos e garrafadas em agosto de 2015, em Charqueadas, quando pai foi buscar o adolescente em um evento

Por Da Redação
Publicado em: 22.06.2022 às 17:02 Última atualização: 22.06.2022 às 18:23

Começou nesta quarta-feira (22), em Charqueadas, o primeiro julgamento do caso Ronei Jr, jovem de 17 anos que foi espancado na frente do pai e morreu em agosto de 2015. Três dos nove réus são julgados pelo Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Comarca. Outros seis acusados serão julgados no mês de julho (4/7 e 11/7).

Pai se emocionou ao testemunhar no júri
Pai se emocionou ao testemunhar no júri Foto: Juliano Verardi/Tribunal de Justiça RS
Nesta quarta, estão sob julgamento os réus Leonardo Macedo Cunha, Peterson Patric Silveira Oliveira e Vinicius Adonai Carvalho da Silva. Eles respondem pelos seguintes crimes: homicídio qualificado (meio cruel e recurso que dificultou a defesa) de Ronei Faleiro Jr, pelas tentativas de homicídio qualificado de Ronei Wilson Faleiro, Richard Saraiva de Almeida e Francielle Wienke (motivo fútil - apenas em relação Richard -, meio cruel e recurso que dificultou a defesa), associação criminosa e corrupção de menores.

Relato do pai

"Meu filho foi julgado, sentenciado e executado numa calçada. Não foi dado chance”, afirmou o pai de Ronei, que testemunhou no primeiro dia do júri. Ele lembrou os acontecimentos de 1° de agosto de 2015. Na noite anterior, ele levou o filho, que tinha 17 anos na época, até o Clube Tiradentes, no Centro da cidade.

O jovem ajudaria nos preparativos da festa realizada naquela noite, com o objetivo de angariar recursos para a formatura dele, no final do ano. O pai também retornou ao clube para buscar Ronei, por volta das 5h. O menino pediu que ele aguardasse uns minutos e também que desse uma carona para Richard e Francielle.

Enquanto aguardava o trio, Ronei não percebeu nenhuma movimentação diferente na frente do clube. Ele saiu do carro e foi ao encontro do filho e dos amigos dele. Foi quando aconteceu o primeiro ataque de um grupo de jovens. “Ouvi barulho de batidas de garrafas, de vidros, minha porta foi empurrada, mas eu consegui entrar no carro.” Ele estima que fossem em torno de 15 agressores. “Fomos atacados pelas costas.”

As agressões se intensificaram, o veículo foi cercado e Ronei saiu para socorrer os adolescentes. Ele também foi atingido por garrafadas na cabeça e golpes nas costas. “Era uma gangue linchando quatro pessoas”, disse o pai.

Segundo a vítima, quando conseguiram entrar no carro e fugir, ele perguntou se estavam todos presentes. “Ouvi meu filho dizer 'pai, eu tô cortado'.” Ronei seguiu às pressas em direção ao hospital. O menino tinha cortes na região do rosto e da cabeça. Richard e Francielle foram atendidos em outra sala.

Socorro

No hospital, Ronei Jr segurou a mão do pai e perguntou se ele não estava machucado. “Foi a última frase do meu filho que, antes de perder a consciência, ainda perguntou se eu estava bem.”

O estado de saúde se agravou e ele foi transferido para a Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre. “Uma médica disse que estavam tentando salvar a vida dele. Mas que, se conseguissem, o filho que conhecíamos não seria mais o mesmo. É duro dizer isso. Mas arrebentaram a cabeça do meu filho", lamentou o pai. 

''É inaceitável o perdão''

Sobre os agressores, Ronei disse que muitos deles conviveram com o filho. "Um deles, Jhonata (que será julgado em 11/7) era mais próximo. Talvez tenha entrado na minha casa muitas vezes, em algum aniversário", lembrou. O motivo das agressões, segundo Ronei, seria porque Richard morava em São Jerônimo e namorava Francielle, que era de Charqueadas.

Filho único, Jr estudava de manhã e fazia curso pré-vestibular. "Ele era o centro da nossa família", afirmou, emocionado. Quase sete anos depois, Ronei disse que nunca mais passou na frente do local onde ocorreu o crime. Ele e a família não vivem mais em Charqueadas. "É inaceitável o perdão."

Próximos júris

Júri – 4/7

* Alisson Barbosa Cavalheiro
* Geovani Silva de Souza
* Volnei Pereira de Araújo

Júri – 11/7

* Cristian Silveira Sampaio
* Jhonata Paulino da Silva Hammes
* Matheus Simão Alves

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.