Publicidade
Opinião Opinião

O trânsito é lugar de convivência, não de disputa

Morte por atropelamento em São Leopoldo acende o sinal de alerta: todos precisam colaborar para a segurança

Por Adair Santos
Publicado em: 06.04.2021 às 16:56 Última atualização: 06.04.2021 às 21:22

A triste morte por atropelamento do motorista de aplicativo em São Leopoldo nesta terça-feira (13) acende o sinal de alerta em relação a um espaço que todos acabam usando: o trânsito. Seja pelos acidentes, seja pelas discussões como essa que acabam em tragédia, o trânsito a cada dia fica mais perigoso.

A pandemia, o desemprego, a criminalidade e até o preço absurdo da gasolina estão afetando a todos. Mas não dá para descontar esse estresse nos pedestres ou demais motoristas. É inadmissível acordar pela manhã e pegar o volante de um carro como se estivesse comandando um tanque em plena guerra. Quem assume a direção de um veículo – muitas vezes com 200 cv ou mais – precisa ter o mínimo de equilíbrio psicológico.

De nada adianta fazer zigue-zague entre as faixas ou cortar a frente de veículos mais lentos. Quem faz isso geralmente chega apenas alguns minutos antes dos demais. Às vezes, porém, nem chega, acidentando-se pelo caminho, morrendo ou matando alguém. Lembre-se: a carteira de motorista é uma permissão que o Estado concede e que pode tirar a qualquer momento em caso de seguidas imprudências.

Quem gosta de andar devagar também deve colaborar. Mesmo estando no limite máximo de velocidade de uma rodovia duplicada, é uma obrigação ir para a direita assim que possível e deixar outros veículos passarem. Está na lei: a pista da esquerda serve apenas para ultrapassagem.

Todos precisamos ter em mente que aquele motorista que pede passagem pode ser um médico que está indo atender uma emergência ou um pai desesperado levando um filho à beira da morte para o hospital. E se for um bandido em fuga? Evite estresse. Vá para a direita e tenha uma viagem tranquila. Cabe à Polícia Rodoviária multar e fiscalizar as estradas, e não a você. Caso haja alguma situação suspeita, comunique o batalhão mais próximo.

Usar o pisca para as conversões e mudanças de pista também é obrigação do bom condutor. Ninguém tem que adivinhar para onde o carro da frente vai ir. Nada mais irritante e perigoso do que um motorista que decide parar subitamente em algum lugar sem usar a seta. Evite também o uso do celular enquanto estiver dirigindo. Isso evita situações de estresse e de perigo.

Todos precisamos ter em mente que a frota de veículos não para de aumentar. A cada dia as ruas e estradas recebem milhares de novas motos, carros, picapes e caminhões. No trânsito, não dá para dar um jogo de copo nos demais, como em uma partida de futebol. Aguarde a vez de entrar em uma rodovia movimentada, sem tentar “encaixar” o seu carro em meio aos demais, pois é preciso respeitar a distância mínima entre os veículos. O trânsito é lugar de convivência, não de disputa

Nas esquinas, pare completamente ao invés de deixar o carro andar, mesmo que lentamente, pois isso causa insegurança em quem está transitando pela preferencial. Caso houver um acidente, acione o seguro. Se não tiver seguro, tente negociar de forma amistosa, sem iniciar uma discussão.

Em São Paulo, os motoristas colaboram bastante com os demais, cedendo a passagem e usando o pisca. Com as ruas e avenidas entupidas de tanto carro, os paulistanos chegaram ao fundo do poço em termos de mobilidade e perceberam que, se não se ajudarem, ninguém mais vai conseguir sair do lugar. Nós, gaúchos, podemos aprender essas lições para não precisarmos chegar também ao fundo do poço.

Adair Santos
Jornalista – editor do Motores


O artigo publicado neste espaço é opinião pessoal e de inteira responsabilidade de seu autor. Por razões de clareza ou espaço poderão ser publicados resumidamente. Artigos podem ser enviados para opiniao@gruposinos.com.br
Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.